top of page
  • Foto do escritorFlora Fogaça

Colaboradores da Flora Fogaça descrevem o amor de mãe

Atualizado: 12 de mai.

Depoimentos relatam respeito, admiração e saudade

Neste Dia das Mães, colaboradores da Flora Fogaça homenageiam as mulheres que são referências de amor e força em suas vidas. Para eles, é mais do que um simples dia de comemoração, a data serve para relembrar o aprendizado, afirmar a importância delas e demonstrar a saudade.


Por meio de relatos, frases expressivas, três colaboradores da empresa exemplificam o afeto e admiração pelas suas heroínas. Em palavras simples, eles narram a força da maternidade, que ultrapassa os limites do tempo e da distância, mesmo quando as mães já não estão mais presentes fisicamente.


Joia rara


Alguns filhos comparam as mães com algo valioso, que merece uma definição mais concreta para esta dádiva divina. Josué Moreira de Medeiros, gerente da loja de São Luís, faz esta descrição precisa, “minha mãe é a minha joia mais rara e preciosa que tenho, é um presente de Deus na minha vida, eu me sinto muito agraciado e abençoado por tela comigo”, define Josué.


Josué ao lado de sua mãe Francinete Medeiros e seu irmão Paulo


“A minha mãe representa tudo o que há de bom em mim, A palavra tudo, ainda é pouco para expressar o que a minha representa, ela é a minha melhor fã, é a pessoa que mais torce por mim, ela é a minha fonte inesgotável de inspiração exemplo de simplicidade, honestidade, caráter, respeito, garra, determinação,  força e amor ao próximo”, complementa Medeiros. No final, ele acrescentou a frase “Te amo, Mamãe”.


Um amor que floresce em cada lembrança


“Minha mãe sempre foi e será a minha rainha”, assim começa Maria do Socorro Laurentino da Silva, uma das colaboradoras que compõe a equipe de vendas de Fortaleza, para expressar o sentimento de amor eterno pela sua mãe, que tem o nome quase homônimo: Maria Laurentino da Silva (in memorian).


Após a sua partida, Socorro não esquece os ensinamentos e a simplicidade de sua genitora. “[Era] mulher simples, mas de qualidades excepcionais. Como mãe sempre ensinou os filhos a andar no caminho certo”. “Agradeço a minha mãe pelo que sou”.


Maria Laurentino da Silva (in memorian), mãe de Socorro Laurentino


Ela relatou ao site que Dona Maria não gostava mesmo de tirar fotos, precisava ser escondido, “essa daí tirei com ela distraída”. As suas lembranças são grandes, mas estão sempre presentes em seu coração.


Lições, pai e mãe ao mesmo tempo


Antônio Jorge, conhecido carinhosamente na empresa como Doda, trabalha no Sítio Ipiranga, em São Benedito. Em seu depoimento, ele fez diversas considerações em relação a Maria Auxiliadora Bernardino da Silva (foto), sua mãe.


Para Doda, ela é uma inspiração, uma mulher que com poucos recursos batalhou para criar os filhos. “Ela foi guerreira, foi pai e mãe ao mesmo tempo. Ela não teve muito pra dar pra nós não, mas deu educação. [Ensinou] Saber respeitar os outros”, diz.


Ainda reconhece as dificuldades que a sua mãe teve para cria-lo, pois ele começou a trabalhar aos sete anos para ajudar Dona Auxiliadora, já que “via que ela trabalhava muito para cuidar de nós”.


“A gente se espelhou no que ela fez pela gente, batalhou muito para criar nós, onde saia de manhã para comprar o pão de cada dia. Não foi o sustento que a gente esperava, mas foi o que ela pôde dar para nós. E hoje nós temos uma vida melhor”.

Comments


bottom of page