top of page
  • Foto do escritorFlora Fogaça

A constante busca pelo sentido do Natal na Flora Fogaça

A empresa desenvolve ações simples em reconhecimento às pessoas ao longo do ano


As perguntas que sempre surgem no período de Natal são respondidas nos gestos, em pequenas ações, no espírito de confraternização das pessoas e na troca de presentes. A data celebra o nascimento de Jesus Cristo, a maior representação do cristianismo da humanidade e, mesmo assim, ainda a força do consumismo evidencia mais a figura do Papai Noel.


Questionamentos à parte sobre o sentido do Natal, certamente é um desafio para todos nós desenvolver o espírito natalino durante 365 dias. É preciso ver com outros olhos o quanto as pessoas têm importância, o quanto a sua presença, o seu trabalho e os seus valores contribuem para o crescimento de uma coletividade.


Tantas pessoas, tantos profissionais de diversas áreas que passam pela Flora Fogaça no dia a dia, que contribuem direta e indiretamente para o sentido de ‘ser’ de uma empresa. São estas pessoas que dão vida a uma instituição, que com o pouco que oferecem, fazem diferença para os que estão ao redor, muitas vezes, silenciosas, fazem o seu trabalho e deixam estampadas no ar as suas pegadas de vitalidade.


Ao longo do ano, a empresa tenta colaborar com ações internas e externas que contribuam para o bem-estar das pessoas, muito além da doação, a simbologia do gesto em vê-las felizes somada ao reconhecimento do potencial delas, é o que move os que fazem a Flora Fogaça a acreditar que é possível semear um mundo melhor. É uma busca constante deste ideal.


Uma destas pessoas é Domingos, o Domingão, que talvez pela altura tenha este apelido no aumentativo. É possível que o ‘Domingão’ seja porque o cara é chapa mesmo, detentor de um sorrisão inconfundível, que esbanja alegria enquanto passa pela Flora Fogaça e dá os ares de sua graça.


A gente só sabe o nome dele. E a sua profissão de Gari, que ele tem orgulho. Gari sim, e o nome não deprecia a profissão é um reconhecimento histórico.


O gesto da foto em que a colaboradora da Flora Fogaça, Auricélia Soares, entrega uma pequena lembrança para Domingos é para dizer o quanto ele é importante para nós e uma das formas de ao longo do ano desejar: Felizes Natais! Obrigado, Domingos!


Nota do Site Flora Fogaça:

O termo ‘gari’ surgiu por conta do sobrenome do francês Aleixo Gary, responsável pela primeira empresa a executar no Brasil o serviço de limpeza urbana iniciado oficialmente no período do Império, no Rio de Janeiro por determinação do Imperador Dom Pedro II. Depois de algum tempo, o serviço também passou pela coordenação de Luciano Francisco Gary, primo de Aleixo e o nome ‘gari’ passou a ser utilizado nas cidades brasileiras.


Leia Mais:




ความคิดเห็น


bottom of page