top of page
  • Foto do escritorFlora Fogaça

Cláudio Fogaça participa do Fofonline Podcast em Tianguá

Em entrevista, o empresário conta a sua história e da Flora Fogaça

O empresário Cláudio Fogaça, CEO da Flora Fogaça, concedeu uma entrevista ao Podcast Fofonline, do tianguaense Evandro Moreira. O streaming aconteceu na noite dessa terça-feira, 9, nos estúdios do comunicador em Tianguá.

 

Na conversa, Fogaça relembrou a sua trajetória, o início como Técnico Agrícola quando chegou na Ibiapaba, na cidade de Tianguá no ano de 2002 e, no ano seguinte, iniciou o plantio de flores na cidade de São Benedito. “Um amigo meu, Sebastião, disse que um produtor daqui do Ceará precisava de um Técnico, que tinha uns serviços em Tianguá, com o empresário Paulo Stefano. Cheguei até comentar com Ciélio [um saudoso amigo] que ficaria por dois anos, já estou há vinte e um”, disse aos risos.

 

Cláudio Fogaça também falou que o início foi difícil porque na região da Ibiapaba não havia a cultura de flores, era somente voltada para a horticultura. Segundo Cláudio, havia uma resistência em até mesmo trabalhar com flores, relembrou que as funerárias trabalhavam com flores de plástico, por não haver a cultura de flores na região. “Não era costume plantar flores naturais e eu não tinha um mercado de flor na época”, relembra.

 

Em junho de 2003, Fogaça começou a produzir crisântemos em um sítio em São Benedito, na Ibiapaba. E a partir desta pequena produção, com poucos recursos, o empreendimento começou a crescer e se tornar referência no País. A empresa hoje conta com lojas em Fortaleza, Teresina, Parnaíba, São Luís, Belém, Mossoró e Colombo, região metropolitana e Curitiba.


Leia Mais:


 

Cláudio Fogaça também falou sobre suas origens, a sua família, seus netos e o período em que viveu no estado de São Paulo, na cidade de Holambra. Entre os diversos temas, o apresentador quis saber sobre os seus dotes culinários herdados também de sua saudosa mãe Benedita Fogaça, de sua família e netos, além de sua paixão pelo Santos Futebol Clube.

 

Confira a íntegra da entrevista:


Comentarios


bottom of page